Shoplifting em romances

Aí vai o último “post” sobre furtos. Esse é uma listinha de referências culturais ao esporte. Algumas, realmente legais e pouco conhecidas, eu roubei da resenha do livro “The Steal”, gancho para todos esses “posts” sobre shoplifting. Outras, mais óbvias, eu já sabia (mas também não peguei nada muuuito óbvio como “Been Caught Stealin”, do Jane’s Addiction)

Aí vão as da resenha:

“St. Augustine confessed he ‘lusted to thieve,’ and found it as tantalizing as sex. Daniel Defoe made a shoplifter the heroine of ‘Moll Flanders’ (1722), among the first modern English novels.

Here’s how Moll Flanders described being busted: ‘I was attack’d by two Wenches that came open mouth’d at me just as I was going out at the Door.’ Surely Winona Ryder, apprehended at a Saks Fifth Avenue in Beverly Hills nearly three centuries later, had similar thoughts.

Saul Bellow’s Augie March, who stole books, deflated when he had to borrow them from a library instead: ‘Somehow that wasn’t the same.’ In ‘American Pastoral’ Philip Roth closed the circle St. Augustine opened, writing, ‘The not paying for things is intoxicating.’ Mark Twain made charred hash of the fact that when poor people steal, they are tossed in jail, while their social betters are diagnosed with “kleptomania” and gently sent for treatment. Emma Goldman concurred.”

Agora as minhas.

The Smiths, Shoplifters of the World Unite

Além de ser um excelente dançarino e saber rebolar como poucos seres humanos (veja no vídeo), o Morrisey teve algumas das sacadas mais brilhantes da história da música. “Shoplifters”, claro, nunca vão se unir.

“Trabalhadores do mundo, uni-vos”, o grito mais famoso de todo o socialismo (mais do que “no pasarán”, mais do que “de cada um conforme a sua capacidade, a cada um conforme a sua necessidade”) virou título e refrão dessa que é uma das canções dos Smiths preferidas do próprio Morrisey.

The Slits, Shoplifting

Put the cheddar in the pocket
Put the rest under the jacket
Talk to the cashier, he won’t suspect
And if he does…
Do a runner!

Haydee, de América

Cachecol, mightier than the sword. Não vi a novela América, mas é uma das minhas preferidas. Em qual outra trama o herói confronta o próprio pai “encarnado” num touro de rodeio? Nessa história la Torloni interpreta uma cleptomaníaca. Olha aí uma ceninha.

Deixe um comentário

Arquivado em Crime, Furto, Shoplifting

Deixe uma resposta

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s