Corajoso, pero no mucho

A essa altura, o Fernando Henrique Cardoso deve ter respondido a mesma pergunta umas 300 vezes: se ele é a favor da descriminalização da maconha, porque não fez isso quando estava na presidência?

Esse é o primeiro ponto que ele esclarece no filme Quebrando o Tabu. Não mandou projeto de lei porque, na época, pensava de maneira diferente. Pouco provável. Acho mais fácil acreditar que ele não quis mexer na legislação porque isso daria trabalho.

Imagina ter que negociar com o PFL, PMDB, bancada evangélica e bancada católica um tema como esse? Imagina os editoriais do Estadão, da Veja, do Datena, etc. Quanta popularidade ele ia perder, quanto “pano para a manga” da oposição ele ia dar (se um livro do MEC sugere que há preconceito linguístico dá esse quiprocó irracional, imagina um projeto de lei para descriminalizar a maconha).

Mudou de ideia.

Alguém realmente acha que a Dilma e o Serra são contrários ao aborto?

Esses caras devem fazer um cálculo bem simples que leva em conta “encheção de saco” versus benefícios. É muito cômodo para o Fernando Henrique, com quase 80 anos, sem perspectiva de concorrer a nenhum cargo, levantar uma bandeira como essa. Além de racional, a descriminalização chama a atenção. O que ele perde? Nada.

Legal que ele se disponha a fazer o filme (que é fraquinho). Mas ele não é tão corajoso assim.

Deixe um comentário

Arquivado em Fernando Henrique Cardoso, Maconha

Deixe uma resposta

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s