Um latino leva o Nobel de literatura

Já tentou escrever algum diálogo? É muito, muito difícil escrever frases que soem como verdadeiras, que não ficam “forçadas”. Existem escritores especializados em diálogos, que têm macetes para bolar uma conversa que não fique falsa.

Nobel
Para acompanhar direito as histórias do Mario Vargas Llosa é preciso prestar toda a atenção. Às vezes diálogos que aconteceram há 40 anos se intercalam com diálogos que acontecem no momento da narração. E todos os diálogos fluem. Se escrever um diálogo já é difícil, intercalar dois (às vezes mais), em tempos narrativos distintos numa sequência sem que isso fique estranho é para poucas pessoas. O Mario Vargas Llosa tem a manha.

Quando que eu me fodi? Quando que o Peru se fodeu? é a pergunta que o narrador fica martelando em Conversación en la Catedral. Além dos diálogos intercalados, outra característica dele são esses fluxos de consciência – que também são difíceis de escrever. Ou seja, o Mario Vargas Llosa tem superávit de técnica.

Conversación en la Catedral
Conversa na Catedral é, provavelmente, o livro mais famoso dele. Li há alguns anos. Peguei a versão em Espanhol e empaquei. Não conhecia muitas das palavras e expressões. Como um parente tinha a versão em Português, acabei fazendo uma leitura “mista”. Eu ia lendo em Espanhol. Se topasse com algum parágrafo que não entendesse, lia o mesmo parágrafo da versão em Português. Depois de fazer isso algumas vezes pude seguir só no Espanhol.

A Catedral do livro não é uma igreja, é um bar. O narrador, Santiago, vai pegar o cachorro da mulher no canil. Lá ele reconhece o antigo motorista do pai. Eles saem para beber na Catedral, que dá o nome ao livro.

O pai do narrador era um homem do alto escalão do ditador peruano Odría. O filho narrador, o mais novo, o mais querido do pai, saiu de casa jovem, rompendo com a família sem explicar por quê. Ele conhece histórias secretas do pai. A ação acontece nesses dois planos (saída dele de casa, conversa dele com o antigo serviçal) e também em outros – a história de um capa preta apelidade de Buitre (Abutre) e, depois, de Cayo Mierda, um puteiro chique frequentado por gente da ditadura, na vida do serviçal que virou homem do canil numa cidade pequena. Todos esses tempos se intercalam e se misturam no livro. É muito bom.

Por uma coincidência, estou lendo um livro dele agora. La Fiesta del Chivo, que se passa na República Dominicana. Acabo de passar da metade. A história tem alguns pontos em comum com Conversación en la Catedral. Uma filha de um funcionário do alto escalão de uma ditadura que dá as costas para a família sem explicar o porquê. Um complô para matar o ditador (e eles matam). E o ditador escroto. Vários tempos diferentes, sendo o presente narrativo a volta da filha à República Dominicana depois de décadas nos EUA sem pisar no país natal. Estou gostando.

Fico muito contente com o prêmio que o Mario Vargas Llosa ganhou. Li pouca coisa dele, mas acho bastante merecido.

Deixe um comentário

Arquivado em Literatura, Peru, Uncategorized

Deixe uma resposta

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s